PLANO DE PARTO: O QUE É  E COMO FAZER?

agag

 

O plano de parto faz parte do parto humanizado e é um documento informal, porém super importante, em que está descrito tudo o que você gostaria que acontecesse, com você e com o bebê, durante o parto. Apesar de o parto humanizado ter ganhado popularidade apenas nos últimos anos, há muito ele é defendido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Tanto que uma das primeiras recomendações do seu guia “Assistência ao Parto Normal: Um Guia Prático” é, justamente, a elaboração de um plano de parto. Ele pode ser escrito em formato de carta e deve ser construído juntamente com o médico, ponto a ponto, considerando as suas condições de saúde e do bebê.

 

O plano de parto não se aplica apenas a partos normais, ele também é fundamental em partos em que a cesárea é necessária. Nele poderão ser definidos desde detalhes como iluminação da sala até os primeiros cuidados com o bebê. Seu plano de parto é uma grande ferramenta para que esta experiência tão única aconteça da maneira mais personalizada e acolhedora possível. Confira exemplos do que você pode registrar no seu plano, etapa a etapa.

 

NO TRABALHO DE PARTO

 

  • Em que momento você deseja que a internação seja feita;
  • Definição da temperatura e iluminação da sala;
  • Quem você quer que acompanhe o trabalho de parto;
  • Se você quer ou não receber ocitocina para acelerar o trabalho de parto;
  • Se você deseja ter liberdade para se movimentar durante o trabalho de parto;
  • Se você deseja poder alimentar-se e ingerir líquidos durante o trabalho de parto;
  • Se você deseja ou não tricotomia (raspagem dos pelos pubianos) e enema (lavagem intestinal);
  • Se você deseja ou não o rompimento artificial da bolsa amniótica.

 

NO PARTO

 

  • Se você deseja ser informada antes de receber anestesia ou qualquer outro medicamento;
  • Escolha da posição para a saída do bebê;
  • Quem cortará o cordão umbilical;
  • Se você deseja, ou não, a episiotomia;
  • Se você permite manobras para posicionar o bebê ou o uso de fórceps;
  • Em que momentos você deseja fazer força (conforme a vontade ou de forma guiada);
  • Se você deseja ter o bebê imediatamente no seu colo após o parto, em contato com a pele;
  • Se deseja liberdade para amamentar logo após o parto.

 

 

CUIDADOS COM O BEBÊ

 

  • Se você deseja que o bebê receba aspiração das vias aéreas;
  • Se você deseja que o bebê receba aspiração gástrica apenas sendo necessário;
  • Se você deseja que o bebê receba o colírio de nitrato de prata imediatamente;
  • Como você deseja que seja feita a administração de vitamina K injetável (pode ser no colo);
  • Como você deseja que seja feita a administração da vacina da hepatite B;
  • Quem deve acompanhar o bebê em caso de exames ou atendimento;
  • O momento em que você deseja que seja dado banho no bebê.

 

Depois de conhecer tantas possibilidades do seu plano de parto é importante lembrar que a equipe médica que assistirá você é que terá as condições de avaliar se o plano poderá ser seguido à risca ou se precisará ser alterado, em função de alguma intercorrência. Se isso acontecer, ainda assim, o plano de parto assegura que a equipe médica se comunique com você e informe sobre cada alteração, cada procedimento, cada decisão. 

 

Os profissionais estão sendo orientados, cada vez mais, a conhecer seu plano de parto e conversar com você sobre tudo o que vai sair do planejado. Isso, de alguma forma, mostra que você tem voz ativa e certa autonomia no processo, tornando a experiência do parto o mais personalizada e respeitosa possível. Converse com seu médico e elabore seu plano.

 

Leia Mais

Mitos sobre a Gestação

imagem-post (1)

Seja por sabedoria popular, transmitida ao longo de gerações, ou por informações que você pode ter acessado através de conhecidos, há uma longa relação de mitos sobre a gestação. Para comentar alguns deles convidamos o Dr. Gustavo Kröger (CRM 124.958/SP), médico ginecologista e obstetra, especializado em pré-natal de alto risco e tratamento para engravidar. Confira!

 

COMER BOLACHA ÁGUA E SAL ALIVIA O MAL-ESTAR E A SALIVAÇÃO

É verdade. Comer de 3 em 3 horas reduz a chance de náusea na gestação e a bolacha de água e sal é algo leve. Poderia ser um pedaço de fruta como maçã, pera, kiwi e morango, que são de digestão mais rápida. Sucos cítricos também ajudam, especialmente se forem gelados, e é sabido que mastigar gengibre e consumir frutas de sabor azedo também alivia as náuseas.

 

O FORMATO DA BARRIGA DA MÃE INDICA O SEXO DO BEBÊ

Mito. Antigamente dizia-se que barriga da mulher que esperava um menino seria mais pontuda e a da mãe de uma menina seria arredondada. A verdade é que a única maneira de descobrir é através de exames. O exame de sexagem fetal, com 99% de taxa de assertividade, pode ser feito a partir de 8 semanas de gestação. Já o ultrassom será mais assertivo a partir de 18 semanas.

 

BEBÊ GRANDE SÓ PODE NASCER DE CESARIANA

O Dr. Gustavo Kröger, não recomenda o parto normal quando o bebê pesa 4kg ou mais. Isso pensando nos possíveis riscos ao bebê e à mãe. Para o bebê grande existe o risco, por exemplo, de o seu ombro, após a saída da cabeça, ficar preso no canal de parto, o que pode causar uma fratura de clavícula. No caso da mãe, pode acontecer o rompimento de nervos do assoalho pélvico – o útero é um órgão muscular e elástico, mas os nervos não. Futuramente isso pode acarretar problemas como incontinência urinária ou útero caído. 

 

GRÁVIDAS NÃO PODEM TER CONTATO COM GATOS

Podem, sim. Na verdade o que as gestantes devem evitar é limpar a caixa de areia, por conta do risco de contrair toxoplasmose – doença que aumenta o risco de aborto e de malformação fetal. A toxoplasmose é causada por um protozoário do qual o gato é hospedeiro, por isso existe esta relação. No entanto, o contato com o gato, em si, não é o problema, mas se suas fezes ficarem por dois dias na caixa de areia o protozoário pode se desenvolver ali e, ao efetuar a limpeza, pode acontecer a contaminação. A recomendação é não tocar na caixa de areia, trocar a areia todos os dias e, se tiver de fazer a limpeza, utilizar sempre luvas.

 

GRÁVIDAS NÃO DEVEM USAR SABONETE OU HIDRATANTE NOS MAMILOS

Isso mesmo. O sabonete pode ressecar a pele e alguns hidratantes podem causar irritação. A pele nesta região é bastante sensível – podemos comparar à mucosa interior da boca -, por isso a recomendação geral é banho morno, rápido e com óleo de banho.

 

PELE DE GRÁVIDA MANCHA SE FICAR EXPOSTA AO SOL

Sim. Gestantes devem usar sempre protetor solar e não devem se expor ao sol. A alteração hormonal que acontece no corpo da mulher durante a gestação favorece a produção de melanina. Logo, se a mulher já tem tendência a criar manchas na pele o cuidado deve ser dobrado.

 

O PRIMEIRO TRIMESTRE DA GRAVIDEZ É O MAIS DELICADO

No primeiro trimestre, 20% das gestantes perdem o bebê. Nessa fase, os órgãos estão em formação, assim, é o que se chama de organogênese, então o feto está mais suscetível a qualquer perturbação como uso de medicamentos e interferência de radiação. 

 

GRÁVIDA NÃO PODE PINTAR O CABELO

Estudos já mostraram incidência de leucemia e linfomas em bebês quando as mãe utilizaram tinturas com amônia durante a gestação. Por isso a orientação do Dr. Gustavo Kröger é utilizar apenas tonalizante de henna, visto que não existem estudos realizados com tintas que garantam qualquer segurança.

O Dr. Gustavo fez um IGTV para o nosso Instagram contando um pouco sobre os Cuidados Estéticos na Gestação. Clique aqui para dar uma olhada.

 

GRÁVIDA NÃO DEVE TOMAR CAFÉ

Pode tomar, mas com moderação. A recomendação é, no máximo, de duas xícaras por dia. O café pode provocar incômodos no estômago, como gastrite e refluxo. Além disso, por causa da cafeína, provoca taquicardia na gestante e, por consequência, no bebê. Outras bebidas a serem consumidas com moderação são: chá mate, chá preto e refrigerantes a base de cola. 

  

GRÁVIDA NÃO PODE ANDAR DE AVIÃO

Pode. No entanto, há dois pontos importantes. O primeiro, segundo o Dr. Gustavo Kröger, é que antes de 14 semanas, na fase da organogênese, não é recomendado viajar. O segundo é uma restrição de muitas companhias aéreas: elas não autorizam a gestante a viajar após 24 semanas de gestação. Esta restrição está associada à viabilidade fetal – a capacidade do feto de sobreviver fora do útero – considerando alguma emergência a bordo.. Se você for fazer viagens longas, seja de carro ou de avião, o recomendado é movimentar-se um pouco a cada duas horas, para não aumentar os riscos de trombose.

Além disso, opte por roupas confortáveis, leves e que não dificultem seus movimentos (na nossa loja on-line há várias opções incríveis e confortáveis para todas as suas fases)

aerolook-1

aerolook-2aerolook-3

 

Conheça mais sobre o trabalho do Dr. Gustavo Kröger seguindo-o no instagram (@dr.gustavokroger) e no site www.espacomae.com.br

 

Leia Mais

Incômodos Comuns na Gestação e como Aliviá-los

imagem-post

 

O corpo da gestante passa por uma grande transformação para que seu bebê cresça e se desenvolva. Hormônios, aumento de peso, um novo centro de gravidade, tudo acontece ao mesmo tempo. Por isso, é normal perceber essas alterações e sentir os desconfortos decorrentes desse processo. 

Neste post, listamos alguns dos incômodos mais comuns durante a gravidez e algumas dicas de como aliviá-los. Mas, lembre-se, você deve consultar o seu médico sempre que a dor for persistente e muito desconfortável. É indispensável consultá-lo antes de tomar qualquer tipo de medicamento. 

 

DOR DE CABEÇA 

Pode acontecer por vários motivos, como alterações hormonais, cansaço, congestão nasal e baixos níveis de açúcar no sangue. Também é comum quando a barriga começa a aparecer, por conta das alterações posturais e da sobrecarga na coluna. No entanto, dor de cabeça na gravidez pode ter causas mais sérias. Por volta da 28ª semana, se a dor é na região da nuca ou aparece como uma forte pressão na testa, pode ser sintoma de pré-eclâmpsia, que exige atenção médica e tratamento. Confira algumas dicas de como tentar aliviar a dor naturalmente:

 

  • Tente descansar em um ambiente tranquilo, sem ruídos, no escuro ou com as luzes bem baixas;
  • Faça compressas de água fria na testa ou na nuca;
  • Procure fazer refeições leves, de 3 em 3 horas;
  • Faça uma automassagem suave no rosto, na região das têmporas, utilizando as pontas do dedos; 
  • Prepare um escalda-pés (se você tiver uma horta em casa, acrescente folhinhas de manjericão e alecrim).

 

DOR NAS COSTAS 

Com o aumento do tamanho da barriga o centro de gravidade da gestante muda e acontece uma alteração significativa na curvatura da coluna. Aí mora a razão do desconforto e das dores lombares durante a gestação. Alguns cuidados e hábitos podem amenizar esse incômodo:

  • Experimente Fisioterapia, Pilates,  RPG ou Yoga para equilibrar a postura, sempre assessorada de perto por um profissional qualificado e atento às suas particularidades;
  • Evite ficar muito tempo em pé e movimente-se regularmente;
  • Faça compressas de água morna nas costas;
  • Faça, e peça, massagens leves das costas;
  • Use um sutiã apropriado para sustentar o peso dos seios – eles vão crescer e pesar mais, causando uma sobrecarga na coluna). Clique aqui para conferir os modelos disponíveis na A Gestante. 

 

NÁUSEA 

Pode ser um problema, principalmente, nas primeiras horas da manhã. O origem principal deste desconforto é o aumento dos níveis do hormônio da gravidez (HCG) e da Progesterona. Algumas dicas podem ajudar você a reduzir essa indisposição:

 

  • Deixe alimentos saudáveis na sua mesa de cabeceira para comer antes de se levantar e ajudar a elevar o nível de açúcar no sangue;
  • Não passe muitas horas de estômago vazio, isso aumenta a produção de ácidos no estômago;
  • Coma pequenas porções de alimentos e ao decorrer de todo dia;
  • Evite frituras e prefira alimentos cozidos, assados ou grelhados.

 

QUEIMAÇÃO e AZIA 

Causada pelas alterações hormonais e também pela compressão do sistema gástrico, a queimação pode ser aliviada evitando alguns alimentos e com outros cuidados. Confira abaixo algumas dicas:

 

  • Coma várias vezes ao dia e em quantidades menores;
  • Evite deitar logo após refeições;
  • No caso de mulheres que possuem refluxo elevar a cabeceira da cama pode ajudar;
  • Evitar frituras, bebidas com gás, condimentos, chocolate e café.

 

AUTOESTIMA 

Sim, listamos a questão da autoestima aqui porque pode ser um incômodo importante. Para além dos sintomas físicos que descrevemos acima, temos de considerar aqui a instabilidade emocional decorrente de todas as transformações que estão acontecendo no corpo e no emocional da gestante.

Neste caso a recomendação é: olhe para você mesma com carinho, acolhimento, paciência e compaixão. Por mais subjetivo que isso possa parecer, a ideia é você procurar perceber, olhando para si mesma, todo o processo que está acontecendo e trazer um olhar de gentileza e de autocuidado para você mesma. 

Investir em roupas que te façam sentir mais confortável e, ao mesmo tempo, mais bonita, é um exemplo de autocuidado que pode fazer a diferença! Na nossa loja online você encontra tudo para a sua gestação. Clique aqui e confira. 

 

Lembre-se há uma grande mudança acontecendo, em vários sentidos, e é normal que você se sinta instável, confusa, com desconfortos físicos e até com a sua autoestima abalada. Não se cobre tanto, não se exija tanto. Neste período, mais do que nunca, procure quem e o que te faz bem! |

 

Leia Mais

imagem-post

Por que usar o sutiã de sustentação e amamentação durante a gestação

imagem-post

 

São muitas as transformações que acontecem no corpo da futura mamãe durante a gestação – falamos sobre elas aqui no blog – e, geralmente, são os seios que dão os primeiros sinais de mudança.

 

A verdade é que eles estão em constante transformação no corpo da mulher, embora possa parecer que já estão plenamente desenvolvidos após a puberdade. A mama continua a se desenvolver e, a cada ciclo, aumenta um pouco seu tecido secretor (produtor de leite), até por volta dos 35 anos. A cada ciclo os seios se preparam para uma possível gravidez. Quando o corpo percebe que a mulher não está grávida, recomeçam as variações hormonais mensais – ciclo que se interrompe quando ela engravida.

 

A partir do final do primeiro mês de gravidez, os seios já começam a se transformar em órgãos produtores de leite. Por isso, eles aumentam de tamanho e, principalmente no primeiro trimestre, ficam bastante sensíveis. Muitas mulheres comparam essas alterações com sintomas pré-menstruais. Faz sentido, já que a sensibilidade aumentada e o peso se devem à influência dos mesmos hormônios. O que muda é que os sintomas pré-menstruais ocorrem uma vez que o período começa, enquanto na gravidez eles seguem durante toda a gestação. As glândulas mamárias estão se desenvolvendo e o estrogênio está estimulando o crescimento dos dutos de leite.

 

O SUTIÃ COMO ALIADO

 

Com aumento de tamanho, de peso e de sensibilidade nos seios é preciso adequar o sutiã e essa nova realidade. O sutiã de sustentação e amamentação pode tornar a sua gestação mais confortável e ajudar, inclusive a prevenir a temida flacidez, que está relacionada à produção de leite e à amamentação. Mas isso depende bastante das especificidades do corpo de cada mulher – estrutura de colágeno e elastina, etnia, tipo de pele e peso. Veja alguns dos benefícios dessa peça.

 

  • Os sutiãs de amamentação proporcionam uma sustentação maior e possuem alças e laterais largas, que suportam melhor o peso e o distribuem nos ombros. Tudo isso vai trazer mais conforto e diminuir as tão comuns dores nas costas.

 

  • Se você se sentir confortável, pode usá-lo para dormir, o que pode melhorar, inclusive, a qualidade do seu sono, deixando você mais segura.

 

imagem-post-2 (1)

 

Dica de manutenção: lave à mão os sutiãs ou na sua máquina dentro de um saco de lavanderia, para aumentar sua vida útil e manter suas propriedades de suporte.

 

Na A Gestante temos vários modelos de sutiãs, com bojo, sem bojo, rendado, sem costura. É só você escolher o que mais lhe agrada! Confira nossas opções de sutiãs de sustentação/amamentação.

Leia Mais

5 mudanças no corpo da gestante a cada trimestre

imagem-post-2

Gestar uma vida é uma missão grandiosa! O corpo da gestante se transforma para garantir o desenvolvimento perfeito do seu bebê. Confira as principais mudanças que acontecem a cada trimestre.

PRIMEIRO TRIMESTRE

1 Seios aumentados e sensíveis: nesta etapa os seios crescem e podem ficar inchados, sensíveis, doloridos e gerar uma sensação de formigamento, por conta do aumento da circulação de sangue. Nesta fase também acontece a alteração de cor na aréola, região que envolve o mamilo, que fica mais escura.

2 Barriguinha: a partir de 12 semanas o útero sai da pelve e a futura mamãe já pode começar a perceber a formação da barriguinha.

3 Enjoos e desejo: parece mentira que os dois aconteçam juntos, não é? No primeiro trimestre costumam aparecer os famosos enjoos de grávida junto com o desejo por alimentos ou sabores específicos. Acredite, até mesmo aquele prato do qual você não conseguia nem sentir o cheiro pode virar objeto de desejo.

4 Cansaço e sono: por causa das alterações hormonais é comum as gestantes sentirem muito sono e fadiga. Não se assuste se nesta etapa seu lugar favorito no planeta for a sua cama!

5 Constante vontade de urinar e aumento dos gases intestinais: estes sintomas também são decorrentes das alterações hormonais, leia-se progesterona, no corpo da futura mamãe. Intestino preso algo é comum neste estágio.

SEGUNDO TRIMESTRE

1 Aumento de Peso: é normal um ganho de peso de 5 a 7 quilos nesta fase, que é quando o bebê termina completamente a sua formação, exigindo bastante da mamãe. Pode haver mudança no formato do rosto e inchaço da face. A barriga fica mais cheia e a cintura mais grossa.

2 Pele: ao final deste trimestre pode aparecer a famosa Linha Nigra, aquela linha escura vertical, que divide a barriga. Ela surge devido à sensibilidade da gestante a um hormônio relacionado à pigmentação. Essa sensibilidade também pode provocar cloasmas – manchas no rosto.

3 Sono: a insônia pode ser um problema, que pode levar à dificuldade de concentração. Muitas gestantes reclamam de desatenção nesta fase.

4 Pressão: o metabolismo acelerado eleva a frequência cardíaca em, aproximadamente, 20%, podendo provocar queda da pressão. Você pode ter dores de cabeça, sonolência, tonturas e desmaios.

5 Barriga e crescimento do útero: No final do quarto mês, a barriga começa a delinear-se logo abaixo do estômago. Com a expansão do útero, outros órgãos são pressionados e até deslocados. Você pode sentir prisão de ventre, a digestão mais lenta e falta de ar.

TERCEIRO TRIMESTRE

1 Costas: com o crescimento do bebê, a barriga fica cada vez maior, podendo levar a dores nas costas, especialmente na região lombar.

2 Inchaço nas pernas e pés: o aumento de peso na zona abdominal sobrecarrega as pernas e aumenta a pressão nessa zona, levando ao inchaço.

3 Pressão na bexiga: O tamanho e o peso do bebê fazem pressão na bexiga, levando à vontade de urinar com bastante frequência.

4 Colostro: Os seios voltam a crescer e pode acontecer a eliminação do colostro, o leite produzido nos primeiros dias de amamentação.

5 Digestão lenta e prisão de ventre: com o bebê engordando e fazendo mais e mais pressão, a prisão de ventre pode se agravar e a digestão fica mais lenta.

 

Leia Mais

A Toxoplasmose e suas consequências

gestante-gato-blog

 

Estudos realizados no Brasil recentemente constataram que a toxoplasmose na população em geral varia aproximadamente entre 40 e 80%, sendo que, as maiores preocupações estão voltadas às gestantes, devido à possibilidade de infecção congênita, que pode ser muitas vezes grave e até letal.

Portanto torna-se fundamental que o pré-natal tenha início no primeiro trimestre da gestação, pois possibilita a identificação precoce dos casos agudos de toxoplasmose gestacional. Ao se diagnosticar precocemente, o tratamento terá maiores chances de evitar ou reduzir sequelas para o recém-nascido. Para maiores informações vamos a alguns conhecimentos básicos:

A toxoplasmose é uma infecção causada por um parasita. Ela não é uma infecção grave para você, mas pode ser grave para o bebê no período gestacional.

A contaminação pode ocorrer quando ingerimos carnes cruas ou mal passadas e ao consumir frutas e hortaliças mal lavados ou de água contaminada, estas são as fontes mais comum de infecção por toxoplasmose, podendo ocorrer também, quando a gestante mantém contato com gatos domésticos, sendo estes animais os únicos que transmitem a toxoplasmose pelas fezes.

Com os devidos cuidados, a grávida não terá problemas em ter contato com um gato de estimação.

Quem já teve Toxoplasmose fica imune?

Sim, os sintomas da toxoplasmose são muito semelhantes aos de uma gripe, é muito provável que você já tenha tido a doença no passado e agora esteja imune.
Os exames de sangue de rotina durante a gravidez comprovam se a mulher está imune ou não, e quem nunca teve contato com a doença precisará tomar mais cuidados com a prevenção durante a gestação.

A toxoplasmose é perigosa?

Os sintomas em adultos costumam ser leves, podendo ocorrer gânglios inchados no pescoço, dores de cabeça, dores musculares, fadiga e sensação de gripe.

Os sintomas podem aparecer de duas a três semanas depois da exposição à infecção. No período gestacional os efeitos da toxoplasmose podem ser bem mais graves, principalmente para um bebê no útero, No entanto estes efeitos variam de acordo com o período da gravidez. Quanto mais cedo o bebê for infectado, piores os danos.

Uma infecção pode ter consequências graves como por exemplo um aborto espontâneo ou à morte do bebê no útero, além de poder provocar microcefalia, hidrocefalia (excesso de líquido no cérebro), problemas de visão ou em outros órgãos do bebê.

Bebês nascidos com toxoplasmose muitas vezes não apresentam problemas logo ao nascer, mas podem desenvolver sintomas com o passar do tempo, geralmente na visão, durante a infância e até na vida adulta, por isso é essencial que sejam acompanhados de perto.

Por este motivo se faz necessário o exame de sangue específico para detectar a toxoplasmose durante o pré-natal. Se no resultado não aparecerem anticorpos para a doença, então você não está imune, ou seja, ainda corre o risco de pegar. Para quem nunca teve contato com a toxoplasmose, o exame de sangue provavelmente será repetido para ter certeza de que não houve contaminação posterior.

Não se desespere diante de um resultado positivo antes de falar com o médico e esclarecer tudo, os médicos conseguem ter ideia se a infecção é antiga ou recente, e quando se faz necessário se utilizam de um outro exame de sangue, chamado teste de avidez, para fechar o diagnóstico.

Sendo o resultado positivo para uma infecção recente, você terá que tomar antibióticos por vários meses, o que reduzirá significativamente o risco de o bebê ser infectado.

O bebê poderá passar por um exame, através da coleta de uma amostra de sangue fetal tirada do cordão umbilical ou do próprio líquido amniótico, e também é possível realizar um teste após o parto, caso haja qualquer suspeita de infecção no bebê, ele será tratado com antibióticos.

Cuidados básicos que você deverá manter se não tem os anticorpos para a doença:

Cozinhe bem todas as carnes, já que o parasita pode ser encontrado em carnes cruas ou malpassadas. Lave bem as mãos depois de mexer em carnes cruas.

Lave bem frutas e verduras especialmente se vai consumi-las cruas. Não utilize a mesma tábua ou faca para cortar carnes e verduras.

Mantenha as carnes cruas congeladas por pelo menos três dias antes de consumi-las. O congelamento mata os transmissores da doença.

Se você tem um jardim, e gosta de mexer nele, use sempre luvas e depois lave bem as mãos, já que poderá haver contato com fezes de gato no solo.

Cuidado ao brincar em tanques de areia públicos e cubra o tanque de areia das crianças para impedir que gatos os usem para suas necessidades.

Tome cuidados extras caso você trabalhe com animais, evite brincar com filhotes de gato ou com gatos desconhecidos, procure não manter contato com cães de rua( cachorros não transmitem a doença, mas podem estar sujos com fezes de gato).

A caixa de areia deve ser completamente limpa todos os dias, porque o parasita necessita mais ou menos de 24 horas para se tornar contagioso, e não faça esta limpeza você mesmo, solicite a ajuda de outra pessoa, se não der para escapar da tarefa, use luvas, e lave bem as mãos depois.

Não dê alimentos crus para o gato e não permita que ele saia à rua, ele pode comer alimentos ou animais contaminados, e procure manter seu gato bem cuidado, vacinado e vermifugado, com visitas regulares ao veterinário.

Você pode conviver com o seu gatinho de estimação sem trazer problemas para o seu bebê, tendo as cautelas necessárias e não se esquecendo que além dos cuidados já citados, deverás manter a casa e cozinha sempre bem higienizadas, pois podemos trazer fragmentos de fezes de gato na sola do sapato.

Leia Mais

A evolução na moda gestante

moda-gestante-agestante-blog

 

Nestes últimos cinquenta anos, a mulher vem ultrapassando barreiras conquistando igualdade de direitos e força no mercado de trabalho, tornando-se mais exigente nas suas escolhas. E estas exigências vem se refletindo também em seu modo de vestir, particularmente no período gestacional, não se contentando em usar apenas uma roupa confortável, mas sim em sentir-se bem com sua aparência.

Com esta mudança de comportamento a moda gestante tem evoluído. Pois é cada vez maior o número de mulheres que participam ativamente do mercado de trabalho, e para isso precisam de roupas adequadas ao seu dia a dia.

A moda gestante é um estilo especializado, confeccionado pensado nas mulheres grávidas em sua essência e na sua necessidade de adquirir principalmente roupas confortáveis, e também dentro dos padrões de beleza momentaneamente estipulados no mundo da moda.

Este novo pensamento tem movimentado a área da indústria de vestuário, apresentado grandes investimentos nas áreas de criações, estilizações e confecções para a gestante.

A mulher quando gestante continua a apresentar todas as necessidades pessoais de beleza, e merece uma linha de roupas estilizadas e planejadas para essa fase tão delicada e bonita de suas vidas.

Ao escolher a sua roupa a gestante deve levar em consideração o principal item, se a peça que esta comprando é atual, com isto, a mulher conseguirá se manter na moda e de modo elegante, mesmo com a barriga crescendo e com o corpo mudando, não significando portanto, que as roupas sejam muito maiores do que os modelos tradicionais, valendo relembrar que há alguns anos, quando a mulher engravidava tinha que vestir-se de acordo com peças que visavam garantir o conforto, sem preocupação com a estética, isso acabou por criar uma imagem preconceituosa, que ainda é partilhada por algumas mulheres, alegando que a moda gestante não é uma moda bonita, e que uma mulher que se veste assim não fica elegante, mas os tempos mudaram, e a modernidade tratou de modificar este conceito, pois a moda gestante evoluiu bastante, acompanhando todas as tendências do mundo fashion, onde as peças apresentam um corte mais adequado ao formato da silhueta da mulher no período de gestação, acompanhando assim as tendências mundiais da moda. caminhando lado a lado com a moda convencional, pegando emprestadas algumas tendências, e lançando as suas próprias.

Essa evolução na moda gestante acompanhou a evolução da própria mulher brasileira, que hoje é mais moderna, mais atual, mais independente e está muito mais antenada com as tendências da moda, procurando roupas que a deixem mais elegante em todos os momentos de sua vida, inclusive durante a gestação, que é onde a sua feminilidade se manifesta da maneira mais forte e bonita.

O que se espera com esta evolução da moda gestante é que seja bem recebida pelas mulheres brasileiras, já que com ela, o mito de que mulher grávida se veste mal e apenas usando peças confortáveis passe a ser considerado apenas um mito.

Algumas dicas básicas podem ser seguidas para uma boa compra, tais como: no início da gravidez você não precisa se preocupar em comprar roupas novas ou ajustar as suas antigas, até o quinto mês a barriga ainda não fica tão grande a ponto de pedir um novo guarda roupa.

A partir do sétimo mês a barriga cresce bastante, assim como o quadril também, neste momento vale a pena investir em algumas peças novas como calças com o cós elástico, blusas mais soltinhas, shorts, bermudas e principalmente vestidos eles são confortáveis, femininos e valorizam suas curvas, abuse de todos que você tiver no armário, seja durante o verão ou inverno, sendo os melhores de cintura marcada e soltinhos, e abuse dos acessórios, brincos, colares e cintos.

Na hora de comprar roupas para a gravidez, sempre considere a possibilidade de usar os itens depois de seu bebê nascer, principalmente peças que facilitam a amamentação, pois conforto e comodidade são fundamentais.
E independente do estágio da gravidez, invista no seu bem-estar e autoestima, cuidando do corpo, da pele, dos cabelos. Ter estilo não é só vestir-se bem!

Leia Mais

Como lidar com a recusa alimentar de seu filho

crianca-blog-agestante

Para que a criança habitue-se a aceitar o alimento, é necessário que ofereça o alimento à criança e avalie a sua reação, de forma a saber se a criança gosta ou não do alimento, devendo os pais insistir com a ingestão de alimentos mesmo que não sejam da sua preferência, o gosto do pai e da mãe não devem influenciar a criança.

Após a recusa da criança pelo alimento, não insista de imediato, para não criar um ambiente negativo que vai tornar a aceitação do alimento mais difícil. Contudo, a criança não deverá ter outra alternativa de consumo para não se habituar a ter sempre opção quando a comida não lhe agradar e assim não terá outra alternativa de consumo.
Em outra ocasião e de forma diferente, prepare o mesmo alimento, associado a sabores que a criança goste, para aumentar a aceitação.

Para tornar o alimento mais atrativo, procure sempre novas formas de preparação e apresentação do alimento.

Faça sempre novas tentativas espaçadas no decorrer do tempo, mesmo que a criança não aceite o alimento, pois serão necessárias cerca de 10 a 15 tentativas para que ela se adapte ao novo sabor.

Com a exposição continuada ao alimento, as crianças neofóbicas(medo do novo), irá aumentar a preferência por alimentos novos, esta fobia ocorre principalmente em crianças dos 3 aos 5 anos.

É importante ter em conta que o seu filho pode não gostar mesmo do alimento, e nesse caso é necessário substituí-lo por algum do mesmo grupo.

Não use alimentos como recompensa, porque a criança irá começar a gostar mais do alimento recompensa do que aquele que estaria a tentar estimular o consumo. Por exemplo: Se não gosta do alimento oferecido, passe para outro alimento e se assim mesmo a criança recusar, e você oferecer uma fruta, e a criança não gostar da fruta, não deverá comer nada até à refeição seguinte!

Não estimule o consumo de alimentos ofertando brinquedos ou atividades que a criança goste, nem bata no seu filho ou zangue-se com ele, pois o gosto da criança por um alimento pode variar de um dia para outro conforme o apetite.

Sendo a criança saudável e estiver dentro do padrão de crescimento e peso normal, não deve valorizar demasiado as recusas alimentares.

Se você quer que seu filho consuma alimentos variados, comece por você, as crianças começam a gostar de novos alimentos por verem outras pessoas comê-los e apreciá-los.

Preste atenção a quantidade de alimento que esta oferecendo aos seus filhos. Eles não comem tanto como um adulto. Por exemplo: “Servir à criança com menos quantidade do que é esperado ou desejado pelos pais ajuda a criança a comer a ter sucesso e sentirem-se alegres por terem comido todo o alimento”.
Se o seu filho disser que está cheio e não quiser comer, você deve tirar o seu prato da mesa sem comentários, pois se você insistir para que coma poderá fazer com que a criança não saiba distinguir e diferenciar a sensação de “estar cheio” com a de “ter fome”.

O ambiente de refeição deve ser agradável e sempre que possível em família. A criança não deve ser distraída por brinquedos, televisão ou outras brincadeiras e evite comentários negativos acerca dos alimentos, pois a criança aprende pelos exemplos.

Leia Mais

Episiotomia. Será que é realmente necessária?

blog-agestante

A Episiotomia é um corte realizado na região do períneo, entre a vagina e o ânus, para facilitar a saída do recém-nascido. A prática está criando polêmica e não é de hoje. Uns creem que é uma mutilação desnecessária e um desrespeito a mulher, porém muitos médicos e estudiosos da área afirmam que o procedimento é simples e em muitos casos necessário.

A realidade é que a prática não é um consenso entre médicos e muito menos entre pacientes.

A prática foi difundida pelo obstetra irlandês Fielding Ould, no século 18. Porém, apenas na década de 1950 a técnica se popularizou. Era de consenso geral que a técnica evitava tanto lesões desnecessária no períneo.

A pesquisa Nascer no Brasil, divulgou que mais da metade das entrevistadas, que tiveram parto normal, passaram por episiotomia.

Mas por qual motivo a técnica é tão rechaçada e polêmica?
A episiotomia é um procedimento cirúrgico que leva cerca de seis semana para cicatrizar. Se os pontos não forem bem feitos há risco de fibrose, dor, dificuldade de cicatrização e perda da sensibilidade na região e em casos graves laceração e frouxidão na região perineal e dificuldade na contenção de órgãos como o intestino.
Porém, se não for realizada a episiotomia e a saída do bebê causar rompimento extenso os danos são bem parecidos aos da incisão mal feita ou da cicatrização com problemas.

Mas quando que a Episiotomia é realmente indicada?
A técnica é geralmente aplicada em mulheres com rigidez no períneo, parto pélvico (bebê sentado), sofrimento fetal e macrossomia (excesso de peso do bebê)  e parto de prematuros. Juntos, estes casos somam apenas 10% dos partos normais.

Lembre-se que a informação é sempre o melhor caminho. Converse com seu médico antes do parto e saiba a opinião dele sobre a prática, aprenda exercícios que ajudam na elasticidade da região e informe-se para realizar um parto que agrade a mãe e não traga riscos para saúde do bebê.

Leia Mais

Você sabe quanto de açúcar o seu filho pode consumir por dia?

gummibar-1089980

A Associação Americana do Coração recomenda que crianças a partir de dois anos e adolescentes de até 18 devem consumir, no máximo, 25 gramas de açúcar por dia. Quantidade que corresponde a seis colheres de chá.

Além disso, segundo a Associação, crianças com menos de dois anos NÃO DEVEM consumir açúcar!

É importante entender que a orientação diz respeito ao açúcar que está adicionado artificialmente em alimentos como achocolatados, bolos, balas, sucos industrializados e afins. Os açucares de frutas, leite e verduras são liberados.

A  professora da Escola de Medicina da Universidade Emory, em Atlanta, Miriam Vos, destaca que as crianças habituadas a consumir alimentos com alto índice de açúcar tendem a se alimentar de forma errada no futuro e consumir menos alimentos saudáveis, como frutas, vegetais e grãos integrais.

O consumo exagerado de açúcar na infância e adolescência aumenta os riscos de desenvolvimento de doenças como a obesidade a hipertensão e diabetes na fase adulta.

Leia Mais