5 (entre vários) possíveis motivos do choro do seu bebê

capa-post

 

O chorinho do bebê é uma das suas primeiras formas de comunicação com o mundo. Não existe regra para entender o motivo, a verdade é que só na relação íntima e de convívio diário com o bebê cada mãe vai aprendendo a decifrá-lo e a entregar para o filhote exatamente o que ele precisa ou está pedindo naquele momento!

 

Hoje, neste post, com base nos relatos mais comuns, trazemos apenas 5 possíveis motivos para o choro do seu bebê.

3

1. Necessidade básica: FOME 

Este é o motivo mais comum para o choro de um recém-nascido. O bebê entende a fome quase como uma dor. Aqui vai uma dica: observe os sinais que o bebê dá de que está com fome, antes do choro. Geralmente ele coloca a mão na boca, chupa o dedo e fica abrindo e fechando as mãozinhas. Percebendo isso, você pode experimentar oferecer leite! Conforme for mamando, se o motivo for fome mesmo, ele deve ir se acalmando.

2. Cansaço ou sono

Outro motivo clássico e muuuito comum. Aqui, assim como no caso do choro, com o tempo cada mamãe percebe também os sinais prévios. Aquela coçadinha no olho já é um bom indicativo! Procure colocá-lo para dormir aos primeiros sinais de sono!

 

4

3. Estufamento depois da mamada

Não tem outro jeito de dizer: quando o bebê chora depois de mamar, especialmente se ele estiver deitado, pode ser que tenha um arroto ali precisando sair! Para isso, coloque o bebê na vertical e dê alguns tapinhas nas costas!

4. Desconforto abdominal: Gases e cólica

O sistema digestivo de um bebê recém-nascido ainda não está maduro! Por isso, o chorinho pode significar que ele está com cólica, por causa de gases ou, ainda, porque ele está com dificuldade de fazer cocô. Para amenizar o desconforto do pequeno, você pode fazer uma massagem suave, colocar bolsa de água quente na barriguinha e fazer aqueles movimentos de bicicleta com a perninha. Consulte também o pediatra para mais sugestões!

5. Muita agitação: o bebê precisa de sossego

Às vezes os estímulos externos são demais para os bebês! Muitas atividades, visitas e um convite permanente a reagir podem fazer o recém-nascido ter dificuldade para “desligar” e “baixar a bola”. Talvez esse chorinho signifique que já foi demais para ele, que ele precisa de sossego. Procure um lugar tranquilo, sem tanto ruído, uma luz mais baixa para que ele se tranquilize e, quem sabe, até durma!

 

Este post traz apenas alguns dos motivos e algumas das hipóteses! Só você e seu bebê é que vão conseguir chegar a uma conclusão juntos! 

Leia Mais

Chegou a hora do parto: os 4 sinais mais importantes

capa-post-hora-do-parto

por Dra. Lígia Santos

 

Não importa se você é mãe de primeira ou se já é a décima viagem. Cada parto é uma história diferente! Cada ser humano é único desde a concepção. 

 

A forma de chutar, o local onde mais gosta de se acomodar no ventre materno, os sintomas associados à gravidez como enjoos, sono, cansaço ou dores, tudo isso é muito diferente a cada gravidez. Daí a dificuldade, também, em sabermos quando é que chegou a hora de ir à maternidade, casa de parto ou de chamar a equipe responsável quando a decisão é ter o bebê em casa.

 

Mães de primeira viagem tendem a sofrer muito mais, pois ainda não têm a menor ideia de quais são os próximos passos e, mesmo buscando informações sobre o assunto, muitas vezes ficamos confusas sobre o que estamos realmente sentindo. Para tentar esclarecer um pouco mais esse assunto, vamos falar de quatro sinais importantes que estão associados ao momento do parto.

 

  1. Contrações Uterinas

 

A forma exata como o trabalho de parto se inicia ainda é um mistério. Sabemos que de alguma forma o feto inicia esse processo, indicando para o corpo da mãe que ele está pronto para nascer. Entretanto, antes disso, o corpo da mulher já começa a se preparar para o momento do parto.  Sendo assim, durante a gestação acontecem as famosas “contrações de treinamento” ou, cientificamente falando, contrações de Braxton-Hicks, que são contrações mais leves e não estão associadas ao trabalho de parto propriamente dito.

 

Mas, afinal de contas, o que são contrações? As contrações são movimentos temporários de “encolhimento” da musculatura uterina. Eles podem ocorrer durante a gestação e possuem intensidades variadas, causando certo desconforto ou dor na mãe. Em geral, as contrações de treinamento são breves e não muito dolorosas podendo estar associadas inclusive à  movimentação fetal. 

 

Quando entramos em trabalho de parto, essas contrações tornam-se cada vez mais intensas e mais próximas umas das outras. Então, quando você estiver sentindo contrações com cerca de 40 segundos de duração a cada 5 minutos – pode contar no relógio que dá certinho – significa que seu trabalho de parto começou. A partir daí dentro de algumas horinhas você vai estar com seu(s) bebezinho(s) no colo!

 

  1. Perda de líquido via vaginal

 

Esse também é um outro sinal que confunde muita gente. Como é que eu tenho certeza que a bolsa estourou? Bem, o volume de líquido amniótico varia de acordo com a idade gestacional, mas quando pensamos em um feto de termo (a partir da 37° semana), esse volume está por volta de 800 ml

Portanto, se sua bolsa romper você vai perceber a saída de uma grande quantidade de líquido claro, com odor característico. Algumas pessoas consideram semelhante a água sanitária, mas tem gente que não sente cheiro algum. 

 

De qualquer forma, o volume de líquido é o que interessa e fica muito difícil de confundir porque sai tanto líquido que sua roupa, chão, cama ou qualquer local que estiver sentada vão ficar encharcados. 

 

É importante que você procure um hospital ou entre em contato com a equipe que vai te assistir durante o parto para que eles verifiquem se está tudo bem com seu bebê. Algumas vezes, a bolsa se rompe e ainda demora várias horas ou até mesmo dias para que o trabalho de parto se inicie (especialmente em prematuros) e isso pode fazer com que aumente muito a chance de ocorrer infecções graves que podem comprometer a sua saúde e a saúde do seu bebê. Por fim, se você fez o exame de pesquisa de Streptococcos agalatiae é muito importante o uso de antibióticos o mais cedo possível.

 

  1. Sangramento

 

Toda grávida fica apavorada quando percebe algum tipo de sangramento, mas nem todo sangramento é sinal de riscos em relação à gravidez. Quando o colo começa a dilatar durante o trabalho de parto pode ocorrer sangramento vaginal em pequena quantidade, geralmente sangue vermelho vivo. 

 

Agora, se você começar a sangrar como se estivesse menstruada, em grande quantidade corra para o hospital. Isso pode ser sinal de problemas muito graves como o descolamento de placenta, por exemplo, e podem levar à morte fetal e materna em poucos minutos dependendo do volume.

 

De qualquer maneira, sangramentos durante a gestação não podem ser ignorados. Sempre que perceber sangramento, vá ao hospital para verificar se está tudo bem.

 

  1. Parada ou diminuição da movimentação fetal

 

Este é o último importante sinal de parto que vamos abordar. Bebês próximos do nascimento se comportam da mesma forma que recém nascidos: dormem, se movimentam um pouco e voltam a dormir. Geralmente eles mantêm essa rotina a cada 3 ou 4 horas. 

 

No final da gestação, por causa do espaço mais limitado, existe uma relativa diminuição da movimentação fetal, mas o bebê não para de mexer. Então, se seu bebê permanecer mais que 4 horas sem se movimentar, alimente-se (com algo doce de preferência) e deite-se com uma das mãos sobre a barriga para verificar melhor quantas vezes o bebê vai se movimentar. O normal é que ele se mexa seis vezes dentro de uma hora. Se a movimentação não ocorrer ou for menor do que isso, entre em contato com seu médico ou procure um hospital próximo. 

            

 

 

imagem-autora-Dra-Lígia-SantosDra. Lígia Santos é ginecologista e obstetra, colaboradora do blog A Gestante. Atua também nas áreas de sexualidade, hormonioterapia e fitoterapia. Acompanhe mais sobre seu trabalho através do Instagram @draligiasantosgineco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia Mais

Gestação e puerpério em tempos de COVID-19: o que você precisa saber

capa-post2

 

Desde o início da pandemia foram identificados grupos de risco, especialmente vulneráveis à infecção, como idosos e pessoas com comorbidades. No momento atual, o Ministério da Saúde orienta que gestantes e puérperas até o 14º dia de pós-parto devem ser consideradas grupos de risco para COVID-19.

 

Neste post, reunimos algumas das informações mais relevantes contidas nesta cartilha de recomendações para gestantes e puérperas frente à pandemia da COVID-19. Confira! Informação é o primeiro passo para a prevenção. 

 

 

FORMAS DE TRANSMISSÃO

Contato Direto: ocorre através das secreções respiratórias (tosse, espirro, fala ou canto, saliva) expelidas pelo indivíduo infectado.

 

Contato Indireto: ocorre quando o indivíduo toca objetos ou superfícies contaminadas por secreções respiratórias e logo em seguida, leva para o rosto, boca, nariz ou olhos.

 

Materno-Fetal: evidências sugerem que a transmissão da mãe para o feto pode acontecer, apesar de ser rara. Pode ocorrer por via transplacentária ou durante o parto. A maioria dos recém-nascidos de mães infectadas é assintomático.

 

RECOMENDAÇÕES: MEDIDAS GERAIS

Pré-natal: é essencial para garantir a saúde da gestante e do bebê e deve ser mantido, podendo haver espaçamento entre as consultas.

 

Vacinas: as vacinas do calendário normal de vacinação devem ser tomadas regularmente e os exames de rotina do pré-natal realizados.

 

Proteção: ao encaminhar-se aos serviços de saúde, a gestante ou puérpera deverá estar usando máscara.

 

Máscara: para que ela seja eficiente na proteção, use-a corretamente, cobrindo completamente a boca e o nariz. Prefira o modelo PFF2, que oferece proteção muito maior que as de tecido. Você encontra em lojas de materiais de construção, tintas ou em lojas de produtos hospitalares – em farmácia é difícil de encontrar.

 

AMAMENTAÇÃO

O aleitamento materno tem importância direta na saúde e bem-estar da criança nos primeiros anos de vida. Dê preferência ao aleitamento natural, principalmente em tempos de pandemia. A amamentação é segura, não transmite e deve ser mantida. 

 

 

INTERNAÇÃO PARA O PARTO

- A infecção por COVID-19 não é, por si só, indicação de parto cesário. O tipo de parto deve levar em consideração o que seria melhor para a mãe e para o bebê.

- A prática do parto na água (banheira) deve ser evitada nas mulheres com suspeita ou confirmação de COVID-19, devido ao potencial risco de infecção via fezes.

- Durante o período da pandemia recomenda-se testar as gestantes durante o internamento hospitalar, mesmo que assintomáticas, na intenção de intensificar o monitoramento.

 

Mais informações você pode ler nesta cartilha.

 

E lembre-se: cuidar de você, inclusive da sua autoestima, faz parte de uma rotina saudável de autocuidado. Ame-se ainda mais nesses tempos difíceis e desfrute de cada dia dessa experiência maravilhosa que é gestar.  Para dar aquele up no visual e curtir o momento de vestir durante essa fase, conte com A Gestante!

 

 

Leia Mais

Amamentação: Mitos e Verdades

capa-post (2)

Créditos da Foto: Enf. Elayne Rangel e sua filha, Valentina.

 

Por Elayne Rangel

 

Quando conversamos sobre amamentação, sempre surgem aqueles conselhos sobre o que fazer – o que aconteceu comigo ou com uma conhecida minha. No entanto, o que nessas trocas de experiências são verdades ou são mitos? Neste post, vamos desmistificar algumas das falas que estão no dia a dia das mães e das gestantes.

 

A primeira delas é sobre a alimentação da mãe. Ela interfere ou não na produção e na qualidade do leite. Interfere, é verdade! O recomendado é que a mãe tenha a alimentação mais saudável que puder. O leite materno tem suas composições próprias de alimento vivo, mas em conjunto com a alimentação da mãe o leite materno se potencializa e agrega sua composição

A alimentação da mãe interfere até mesmo no sabor, na cor e no odor do leite. O recomendado é que a mãe siga um cardápio variado e saudável, sem produtos industrializados

 

Outra grande questão é se existe leite fraco ou não. É um grande mito, talvez o maior na amamentação. O leite materno contém todos os nutrientes necessários para um crescimento saudável do bebê. Se existe uma causa para a sua insegurança, é importante buscar o auxílio de um profissional de saúde capacitado, pois, na pega errada, por exemplo, pode estar a resposta do choro ou do não ganho de peso adequado do seu bebê, além de outros fatores.

 

Outro grande mito é que a fórmula artificial é igual ao leite materno. O leite materno é singular, é um alimento vivo. Você sabia que o colostro, aquele primeiro leite que sai nos primeiros dias de vida do seu bebê, pode ser considerado a primeira vacina dele, devido à quantidade de fatores de proteção? 

Pois é, tudo que uma mãe criou de imunidade ao longo da vida ela transfere para o seu bebê através da amamentação nesses primeiros dias, em uma quantidade infinitamente superior aos dias posteriores. O leite materno é um alimento especialmente personalizado para cada momento da vida de um bebê, cada mãe produz o leite específico de acordo com a idade.

O leite artificial tem propriedades que alimentam e nutrem o bebê, sim. E que bom que ele existe, mas não se pode comparar ao leite materno. E, importante, lembre-se de usá-lo somente com orientação médica.

 

Seguindo a mesma linha, outro mito bastante reforçado é sobre o bebê ter horário para mamar. Não há uma regra, pois varia conforme o bebê. A recomendação é que a mãe ofereça o peito em “livre demanda“, buscando reconhecer os sinais de fome do seu bebê. Trabalhar com limites de horário pode ser um problema, pois cada criança mama por fome, por sede, por necessidade de aconchego, por vínculo. 

Com o passar das semanas, eles vão criando seu próprio horário e ritmo de alimentação e é comum querer mamar a cada duas ou três horas. É importante que a mãe não restrinja a amamentação caso o bebê solicite em um intervalo menor. O crescimento e o desenvolvimento do seu bebê é a melhor resposta para o padrão que vocês estão estabelecendo.

 

Então, mamães e papais, o importante na amamentação é sempre ter a avaliação de um profissional. Com a certeza da pega correta eliminamos muitas possibilidades de baixa ingestão de leite materno, perda de peso por mamadas ineficientes ou problemas como baixa produção de leite por falta de estímulo frequente e correto. 

 

A certeza do processo garantirá, também, a sua tranquilidade de que o seu bebê está bem alimentado. Com isso, ambos descansam e seguem seu processo de amamentação sem medos ou inseguranças. 

 

Existem outros mitos? Sim, vários outros, mas o conselho que te dou é: em caso de dúvidas, busque apoio. Assim você poderá viver uma história de amamentação diferente de muitas outras que conhece.

 

Fabiola-Schmidt

Elayne Rangel é enfermeira, consultora de amamentação, laserterapeuta, servidora da Secretaria de Saúde do Distrito Federal e membro da Rede Brasileira de Bancos de Leite do Brasil. Confira mais dicas sobre o mundo da amamentação e da parentalidade no seu perfil no instagram @enfermeiraelaynerangel.

 

Leia Mais

12 motivos pelos quais bebês acordam com frequência à noite

 

 

capa-post

 

Por Danielle Cogo

 

Seu bebê não dorme bem à noite? Saiba que existem vários motivos para isso. Confira algumas das razões possíveis para entender um pouco mais sobre essa fase tão desafiadora.

 

  1. Idade: o número de horas de sono varia com a idade e com o ritmo biológico individual. Ou seja, às vezes cometemos um erro achando que todos devem ter a mesma quantidade de horas de sono. Quando passamos a conhecer e a respeitar as necessidades de cada bebê, eles tendem a dormir melhor. Querer inserir o bebê na rotina de sono de um adulto é um erro.
  2. Ritmo circadiano: popularmente conhecido como relógio biológico, o ritmo circadiano depende de pistas temporais para determinar a liberação de hormônios e de substâncias relacionadas ao sono. Entre elas estão a exposição ao sol, a prática de atividade física e os horários de alimentação.
  3. Fome: um bebê com fome vai lutar para dormir. Certifique-se de que o bebê está se alimentando bem e recebendo todas as calorias necessárias durante o dia. Assim, o corpo não vai pedir essas calorias durante a noite.
  4. Razões médicas: O bebê pode estar sofrendo de uma condição médica que causa dor. Pode ser refluxo ou refluxo oculto, condições como apneia obstrutiva do sono, alergias, intolerâncias ou infecções de ouvido, por exemplo. Qualquer doença grave irá contribuir para um sono ineficiente. Por isso, o primeiro passo é investigar e descartar qualquer razão médica.
  5. Desconfortos abdominais: Tomar leite muito rápido às vezes faz com que o bebê engula ar, o que pode causar cólicas. A introdução de novos alimentos também pode fazer com que alguns desconfortos surjam, por isso ela deve ser acontecer aos poucos.
  6. Cansaço: Quando bebê está muito cansado ele produz hormônios do estresse, como cortisol e adrenalina. Esses hormônios destroem a sua capacidade de dormir e de emendar os ciclos de sono. Por isso, segurar o sono não é a melhor opção.
  7. Superestimulação: Muitas bebês não dormem bem porque são superestimulados. Saber que atividades fazer, em que momento e por quanto tempo estimular faz toda a diferença.
  8. Falta de estímulos: Os bebês precisam de estímulos visuais durante o dia, como um passeio, e de mudança de cenários para acalmar seu sistema nervoso central. Você já percebeu que quando você leva um bebê chorando lá fora ele para de chorar? Isso indica que estava faltando estímulo visual. Essa falta faz com que eles não durmam bem.
  9. Dificuldade em dormir sozinho: Muitas vezes os bebês precisam de nossa ajuda e, sem querer, criamos associações de sono como dormir mamando, balançando, ou no colo. Quando chega o momento de dormir sozinho, é natural que ele estranhe e tenha mais dificuldade.
  10. Ambiente de sono não adequado: Um local limpo, organizado, com temperatura adequada e uma luz sutil é fundamental. Todos esses detalhes interferem bastante no sono do bebê. Alguns dormem bem em qualquer situação, porém outros são mais sensíveis e podem precisar de um ambiente perfeito.
  11. Rotina não apropriada: Sim, a rotina é fundamental para um sono de qualidade. No entanto, a rotina precisa ser apropriada para cada faixa etária, respeitando também os limites e as necessidade de cada bebê.
  12. Hora de dormir: Saber quando colocar o bebê para dormir é a chave para que não durmam estressados e para que não lutem contra o sono

 

São muitos detalhes, eu sei, mas há algumas dicas simples que podem ajudar você a criar a situação ideal de sono para o seu bebê. Procure criar um ritual noturno, que ajude seu bebê a diferenciar o dia da noite, através do ambiente, e evite as sonecas muito longas durante o dia. Ative os reflexos de calma quando o bebê estiver muito irritado (exemplo: usando swaddler, o balanço e o ruído branco) e esteja atenta aos ruídos do sono. Resmungar não é chorar, observe o bebê antes de pegá-lo no colo para fazer ele voltar a dormir. Às vezes ele emite sons e volta a dormir sozinho, espere alguns minutos, isso dará a ele um pouco de independência. E, por último, mas não menos importante: peça ajuda sempre que necessário!

É só por volta dos 9 meses que o padrão de ciclos de sono do bebê vai se modificando e amadurecendo, chegando mais próximo ao ciclo de sono do adulto. Por isso, alguns especialistas afirmam que fisiologicamente os bebês têm condições de dormir a noite inteira após os 9 meses.

Vale lembrar que os ciclos padronizados e organizados não são suficientes para garantir boas noites de sono. É necessário, também, um ambiente de sono saudável, uma rotina adequada e bons hábitos. Sendo assim é necessário trabalhar o ambiente, os hábitos e a rotina.

 

 

imagem-autora-danielleDanielle Cogo é terapeuta do sono, consultora do sono infantil e proprietária do Instituto Assessoria Mamãe . Conheça mais sobre o trabalho dela também pelo instagram @assessoriamamae_instituto

Leia Mais

OS DIFERENTES TIPOS DE PARTO

imagem-post (1)

 

Quando falamos de parto pensamos, geralmente, em dois tipos, parto normal ou cesárea, certo? E não está errado. Há, sim, essa divisão, no entanto dentro de cada um destes dois tipos existem variações. Antes de mais nada, você precisa saber que os tipos de parto variam de acordo com a via por onde o bebê sai e com o grau de intervenção médica no processo. Neste post vamos falar de alguns deles. 

Reforçamos que nenhuma informação substitui a consulta com o seu médico. Quem lhe acompanha ao longo de toda a gestação é quem pode auxiliar você a encontrar o melhor tipo de parto para garantir a sua saúde e a saúde do seu bebê.

 

PARTO HUMANIZADO: Todo parto, independentemente do tipo, pode, e deve, ser humanizado. Esta definição se refere ao parto em que se respeita o protagonismo da mulher durante todo o processo. Lembra do plano de parto, sobre o qual falamos no último post? Pois no parto humanizado ele é muito respeitado e considerado, procurando atender aos desejos da gestante sempre que possível e comunicando-a sobre eventuais intervenções necessárias. Existe parto humanizado no centro cirúrgico, na maternidade ou em casa, seja onde for. Ele diz respeito à postura dos profissionais que estarão assistindo a gestante, sua conduta respeitosa e acolhedora durante todo o parto e ao papel central da gestante.

 

PARTO NORMAL OU VAGINAL:  Aqui já estamos falando de um tipo específico de parto. Quando o parto é normal ou vaginal significa que o bebê nasce pela via vaginal. Estas expressões indicam todos os tipos de nascimento que não são cirúrgicos. Um parto normal pode ser hospitalar, domiciliar, de cócoras, deitada, na banheira, com ou sem aplicação de anestesia. 

 

PARTO NATURAL: É um parto normal ou vaginal em que não existe qualquer intervenção médica como episiotomia, uso de fórceps, indução com ocitocina sintética ou medicamentos para anestesia ou analgesia. 

 

CESÁREA: Neste tipo de parto é feita uma cirurgia, em que é feito um corte no abdômen da mulher para a retirada do bebê. A cesárea pode ser planejada quando a mãe escolhe a cirurgia ou quando existe alguma questão de saúde envolvida, que represente algum risco para o parto normal. A de emergência acontece quando ocorre algum imprevisto durante o parto normal, que pode colocar em risco a saúde da mãe e do bebê. 

 

PARTO NA ÁGUA: É um parto normal ou vaginal, geralmente feito em uma banheira ou piscina de plástico com água. Assim, a mãe dá à luz em um ambiente similar àquele em que o bebê se encontra dentro do útero. A água pode pode atenuar as dores e o cansaço do trabalho de parto.

imagem-post-3

 

PARTO DE LÓTUS: Também está dentro do parto normal ou vaginal, mas o que o diferencia é que, após o nascimento do bebê o cordão umbilical não é cortado, permanece intacto e ligado à placenta, que não é descartada, até que se desprenda naturalmente do umbigo – o que ocorre geralmente uma semana depois do parto.

 

PARTO DE CÓCORAS: Neste tipo de parto o bebê também nasce via vaginal, ou seja, é um parto normal, porém a mãe fica agachada no momento do nascimento. Nesta posição a musculatura do abdômen e da pelve relaxam e a gravidade faz o seu trabalho, facilitando a saída do bebê. Neste caso não se pode aplicar anestesia. 

 

Quantos tipos novos de parto você conheceu neste post? Se gostou do conteúdo, compartilhe com quem você acreditar que pode se interessar!

 

Leia Mais

Mitos sobre a Gestação

imagem-post (1)

Seja por sabedoria popular, transmitida ao longo de gerações, ou por informações que você pode ter acessado através de conhecidos, há uma longa relação de mitos sobre a gestação. Para comentar alguns deles convidamos o Dr. Gustavo Kröger (CRM 124.958/SP), médico ginecologista e obstetra, especializado em pré-natal de alto risco e tratamento para engravidar. Confira!

 

COMER BOLACHA ÁGUA E SAL ALIVIA O MAL-ESTAR E A SALIVAÇÃO

É verdade. Comer de 3 em 3 horas reduz a chance de náusea na gestação e a bolacha de água e sal é algo leve. Poderia ser um pedaço de fruta como maçã, pera, kiwi e morango, que são de digestão mais rápida. Sucos cítricos também ajudam, especialmente se forem gelados, e é sabido que mastigar gengibre e consumir frutas de sabor azedo também alivia as náuseas.

 

O FORMATO DA BARRIGA DA MÃE INDICA O SEXO DO BEBÊ

Mito. Antigamente dizia-se que barriga da mulher que esperava um menino seria mais pontuda e a da mãe de uma menina seria arredondada. A verdade é que a única maneira de descobrir é através de exames. O exame de sexagem fetal, com 99% de taxa de assertividade, pode ser feito a partir de 8 semanas de gestação. Já o ultrassom será mais assertivo a partir de 18 semanas.

 

BEBÊ GRANDE SÓ PODE NASCER DE CESARIANA

O Dr. Gustavo Kröger, não recomenda o parto normal quando o bebê pesa 4kg ou mais. Isso pensando nos possíveis riscos ao bebê e à mãe. Para o bebê grande existe o risco, por exemplo, de o seu ombro, após a saída da cabeça, ficar preso no canal de parto, o que pode causar uma fratura de clavícula. No caso da mãe, pode acontecer o rompimento de nervos do assoalho pélvico – o útero é um órgão muscular e elástico, mas os nervos não. Futuramente isso pode acarretar problemas como incontinência urinária ou útero caído. 

 

GRÁVIDAS NÃO PODEM TER CONTATO COM GATOS

Podem, sim. Na verdade o que as gestantes devem evitar é limpar a caixa de areia, por conta do risco de contrair toxoplasmose – doença que aumenta o risco de aborto e de malformação fetal. A toxoplasmose é causada por um protozoário do qual o gato é hospedeiro, por isso existe esta relação. No entanto, o contato com o gato, em si, não é o problema, mas se suas fezes ficarem por dois dias na caixa de areia o protozoário pode se desenvolver ali e, ao efetuar a limpeza, pode acontecer a contaminação. A recomendação é não tocar na caixa de areia, trocar a areia todos os dias e, se tiver de fazer a limpeza, utilizar sempre luvas.

 

GRÁVIDAS NÃO DEVEM USAR SABONETE OU HIDRATANTE NOS MAMILOS

Isso mesmo. O sabonete pode ressecar a pele e alguns hidratantes podem causar irritação. A pele nesta região é bastante sensível – podemos comparar à mucosa interior da boca -, por isso a recomendação geral é banho morno, rápido e com óleo de banho.

 

PELE DE GRÁVIDA MANCHA SE FICAR EXPOSTA AO SOL

Sim. Gestantes devem usar sempre protetor solar e não devem se expor ao sol. A alteração hormonal que acontece no corpo da mulher durante a gestação favorece a produção de melanina. Logo, se a mulher já tem tendência a criar manchas na pele o cuidado deve ser dobrado.

 

O PRIMEIRO TRIMESTRE DA GRAVIDEZ É O MAIS DELICADO

No primeiro trimestre, 20% das gestantes perdem o bebê. Nessa fase, os órgãos estão em formação, assim, é o que se chama de organogênese, então o feto está mais suscetível a qualquer perturbação como uso de medicamentos e interferência de radiação. 

 

GRÁVIDA NÃO PODE PINTAR O CABELO

Estudos já mostraram incidência de leucemia e linfomas em bebês quando as mãe utilizaram tinturas com amônia durante a gestação. Por isso a orientação do Dr. Gustavo Kröger é utilizar apenas tonalizante de henna, visto que não existem estudos realizados com tintas que garantam qualquer segurança.

O Dr. Gustavo fez um IGTV para o nosso Instagram contando um pouco sobre os Cuidados Estéticos na Gestação. Clique aqui para dar uma olhada.

 

GRÁVIDA NÃO DEVE TOMAR CAFÉ

Pode tomar, mas com moderação. A recomendação é, no máximo, de duas xícaras por dia. O café pode provocar incômodos no estômago, como gastrite e refluxo. Além disso, por causa da cafeína, provoca taquicardia na gestante e, por consequência, no bebê. Outras bebidas a serem consumidas com moderação são: chá mate, chá preto e refrigerantes a base de cola. 

  

GRÁVIDA NÃO PODE ANDAR DE AVIÃO

Pode. No entanto, há dois pontos importantes. O primeiro, segundo o Dr. Gustavo Kröger, é que antes de 14 semanas, na fase da organogênese, não é recomendado viajar. O segundo é uma restrição de muitas companhias aéreas: elas não autorizam a gestante a viajar após 24 semanas de gestação. Esta restrição está associada à viabilidade fetal – a capacidade do feto de sobreviver fora do útero – considerando alguma emergência a bordo.. Se você for fazer viagens longas, seja de carro ou de avião, o recomendado é movimentar-se um pouco a cada duas horas, para não aumentar os riscos de trombose.

Além disso, opte por roupas confortáveis, leves e que não dificultem seus movimentos (na nossa loja on-line há várias opções incríveis e confortáveis para todas as suas fases)

aerolook-1

aerolook-2aerolook-3

 

Conheça mais sobre o trabalho do Dr. Gustavo Kröger seguindo-o no instagram (@dr.gustavokroger) e no site www.espacomae.com.br

 

Leia Mais

A Toxoplasmose e suas consequências

gestante-gato-blog

 

Estudos realizados no Brasil recentemente constataram que a toxoplasmose na população em geral varia aproximadamente entre 40 e 80%, sendo que, as maiores preocupações estão voltadas às gestantes, devido à possibilidade de infecção congênita, que pode ser muitas vezes grave e até letal.

Portanto torna-se fundamental que o pré-natal tenha início no primeiro trimestre da gestação, pois possibilita a identificação precoce dos casos agudos de toxoplasmose gestacional. Ao se diagnosticar precocemente, o tratamento terá maiores chances de evitar ou reduzir sequelas para o recém-nascido. Para maiores informações vamos a alguns conhecimentos básicos:

A toxoplasmose é uma infecção causada por um parasita. Ela não é uma infecção grave para você, mas pode ser grave para o bebê no período gestacional.

A contaminação pode ocorrer quando ingerimos carnes cruas ou mal passadas e ao consumir frutas e hortaliças mal lavados ou de água contaminada, estas são as fontes mais comum de infecção por toxoplasmose, podendo ocorrer também, quando a gestante mantém contato com gatos domésticos, sendo estes animais os únicos que transmitem a toxoplasmose pelas fezes.

Com os devidos cuidados, a grávida não terá problemas em ter contato com um gato de estimação.

 

Quem já teve Toxoplasmose fica imune?

Sim, os sintomas da toxoplasmose são muito semelhantes aos de uma gripe, é muito provável que você já tenha tido a doença no passado e agora esteja imune.
Os exames de sangue de rotina durante a gravidez comprovam se a mulher está imune ou não, e quem nunca teve contato com a doença precisará tomar mais cuidados com a prevenção durante a gestação.

 

A toxoplasmose é perigosa?

Os sintomas em adultos costumam ser leves, podendo ocorrer gânglios inchados no pescoço, dores de cabeça, dores musculares, fadiga e sensação de gripe.

Os sintomas podem aparecer de duas a três semanas depois da exposição à infecção. No período gestacional os efeitos da toxoplasmose podem ser bem mais graves, principalmente para um bebê no útero, No entanto estes efeitos variam de acordo com o período da gravidez. Quanto mais cedo o bebê for infectado, piores os danos.

Uma infecção pode ter consequências graves como por exemplo um aborto espontâneo ou à morte do bebê no útero, além de poder provocar microcefalia, hidrocefalia (excesso de líquido no cérebro), problemas de visão ou em outros órgãos do bebê.

Bebês nascidos com toxoplasmose muitas vezes não apresentam problemas logo ao nascer, mas podem desenvolver sintomas com o passar do tempo, geralmente na visão, durante a infância e até na vida adulta, por isso é essencial que sejam acompanhados de perto.

Por este motivo se faz necessário o exame de sangue específico para detectar a toxoplasmose durante o pré-natal. Se no resultado não aparecerem anticorpos para a doença, então você não está imune, ou seja, ainda corre o risco de pegar. Para quem nunca teve contato com a toxoplasmose, o exame de sangue provavelmente será repetido para ter certeza de que não houve contaminação posterior.

Não se desespere diante de um resultado positivo antes de falar com o médico e esclarecer tudo, os médicos conseguem ter ideia se a infecção é antiga ou recente, e quando se faz necessário se utilizam de um outro exame de sangue, chamado teste de avidez, para fechar o diagnóstico.

Sendo o resultado positivo para uma infecção recente, você terá que tomar antibióticos por vários meses, o que reduzirá significativamente o risco de o bebê ser infectado.

O bebê poderá passar por um exame, através da coleta de uma amostra de sangue fetal tirada do cordão umbilical ou do próprio líquido amniótico, e também é possível realizar um teste após o parto, caso haja qualquer suspeita de infecção no bebê, ele será tratado com antibióticos.

 

CUIDADOS BÁSICOS QUE VOCÊ DEVERÁ MANTER SE NÃO TEM OS ANTICORPOS PARA A DOENÇA:

  • Cozinhe bem todas as carnes, já que o parasita pode ser encontrado em carnes cruas ou malpassadas. Lave bem as mãos depois de mexer em carnes cruas.
  • Lave bem frutas e verduras especialmente se vai consumi-las cruas. Não utilize a mesma tábua ou faca para cortar carnes e verduras.
  • Mantenha as carnes cruas congeladas por pelo menos três dias antes de consumi-las. O congelamento mata os transmissores da doença.
  • Se você tem um jardim, e gosta de mexer nele, use sempre luvas e depois lave bem as mãos, já que poderá haver contato com fezes de gato no solo.
  • Cuidado ao brincar em tanques de areia públicos e cubra o tanque de areia das crianças para impedir que gatos os usem para suas necessidades.
  • Tome cuidados extras caso você trabalhe com animais, evite brincar com filhotes de gato ou com gatos desconhecidos, procure não manter contato com cães de rua( cachorros não transmitem a doença, mas podem estar sujos com fezes de gato).
  • A caixa de areia deve ser completamente limpa todos os dias, porque o parasita necessita mais ou menos de 24 horas para se tornar contagioso, e não faça esta limpeza você mesmo, solicite a ajuda de outra pessoa, se não der para escapar da tarefa, use luvas, e lave bem as mãos depois.
  • Não dê alimentos crus para o gato e não permita que ele saia à rua, ele pode comer alimentos ou animais contaminados, e procure manter seu gato bem cuidado, vacinado e vermifugado, com visitas regulares ao veterinário.

 

Você pode conviver com o seu gatinho de estimação sem trazer problemas para o seu bebê, tendo as cautelas necessárias e não se esquecendo que além dos cuidados já citados, deverás manter a casa e cozinha sempre bem higienizadas, pois podemos trazer fragmentos de fezes de gato na sola do sapato.

Leia Mais

Você sabe quanto de açúcar o seu filho pode consumir por dia?

gummibar-1089980

 

A Associação Americana do Coração recomenda que crianças a partir de dois anos e adolescentes de até 18 devem consumir, no máximo, 25 gramas de açúcar por dia. Quantidade que corresponde a seis colheres de chá.

Além disso, segundo a Associação, crianças com menos de dois anos NÃO DEVEM consumir açúcar!

É importante entender que a orientação diz respeito ao açúcar que está adicionado artificialmente em alimentos como achocolatados, bolos, balas, sucos industrializados e afins. Os açucares de frutas, leite e verduras são liberados.

A  professora da Escola de Medicina da Universidade Emory, em Atlanta, Miriam Vos, destaca que as crianças habituadas a consumir alimentos com alto índice de açúcar tendem a se alimentar de forma errada no futuro e consumir menos alimentos saudáveis, como frutas, vegetais e grãos integrais.

O consumo exagerado de açúcar na infância e adolescência aumenta os riscos de desenvolvimento de doenças como a obesidade a hipertensão e diabetes na fase adulta.

Leia Mais

Grávidas precisam tomar a vacina contra a gripe H1N1!

gripe-agestante-blog-h1n1

A gripe causada pelo vírus Influenza A é uma preocupação que deve estar na cabeça das grávidas.
Por este motivos elas fazem parte do grupo de risco e estão incluídas nas campanhas de vacinação. Além das gestantes, mulheres que deram a luz a menos de 45 dias, crianças de 6 meses até 5 anos também devem tomar a vacina gratuitamente nos postos de saúde da rede pública.

A saúde da mãe é o principal foco da vacina, pois a doença pode avançar rapidamente causando pneumonia e outras complicações que podem se estender até o bebê.

Como vou saber se estou com a gripe H1N1?

Os sintomas da gripe H1N1 são bem parecidos com os da gripe comum:

  • febre
  • dor de garganta
  • tosse
  • cansaço
  • dor de cabeça
  • dor no corpo

Mesmo se você não tiver todos os sintomas descritos procure atendimento médico, pois gestantes são parte do grupo de risco para complicações mais sérias.

Leia Mais