Como lidar com a recusa alimentar de seu filho

crianca-blog-agestante

Para que a criança habitue-se a aceitar o alimento, é necessário que ofereça o alimento à criança e avalie a sua reação, de forma a saber se a criança gosta ou não do alimento, devendo os pais insistir com a ingestão de alimentos mesmo que não sejam da sua preferência, o gosto do pai e da mãe não devem influenciar a criança.

Após a recusa da criança pelo alimento, não insista de imediato, para não criar um ambiente negativo que vai tornar a aceitação do alimento mais difícil. Contudo, a criança não deverá ter outra alternativa de consumo para não se habituar a ter sempre opção quando a comida não lhe agradar e assim não terá outra alternativa de consumo.
Em outra ocasião e de forma diferente, prepare o mesmo alimento, associado a sabores que a criança goste, para aumentar a aceitação.

Para tornar o alimento mais atrativo, procure sempre novas formas de preparação e apresentação do alimento.

Faça sempre novas tentativas espaçadas no decorrer do tempo, mesmo que a criança não aceite o alimento, pois serão necessárias cerca de 10 a 15 tentativas para que ela se adapte ao novo sabor.

Com a exposição continuada ao alimento, as crianças neofóbicas(medo do novo), irá aumentar a preferência por alimentos novos, esta fobia ocorre principalmente em crianças dos 3 aos 5 anos.

É importante ter em conta que o seu filho pode não gostar mesmo do alimento, e nesse caso é necessário substituí-lo por algum do mesmo grupo.

Não use alimentos como recompensa, porque a criança irá começar a gostar mais do alimento recompensa do que aquele que estaria a tentar estimular o consumo. Por exemplo: Se não gosta do alimento oferecido, passe para outro alimento e se assim mesmo a criança recusar, e você oferecer uma fruta, e a criança não gostar da fruta, não deverá comer nada até à refeição seguinte!

Não estimule o consumo de alimentos ofertando brinquedos ou atividades que a criança goste, nem bata no seu filho ou zangue-se com ele, pois o gosto da criança por um alimento pode variar de um dia para outro conforme o apetite.

Sendo a criança saudável e estiver dentro do padrão de crescimento e peso normal, não deve valorizar demasiado as recusas alimentares.

Se você quer que seu filho consuma alimentos variados, comece por você, as crianças começam a gostar de novos alimentos por verem outras pessoas comê-los e apreciá-los.

Preste atenção a quantidade de alimento que esta oferecendo aos seus filhos. Eles não comem tanto como um adulto. Por exemplo: “Servir à criança com menos quantidade do que é esperado ou desejado pelos pais ajuda a criança a comer a ter sucesso e sentirem-se alegres por terem comido todo o alimento”.
Se o seu filho disser que está cheio e não quiser comer, você deve tirar o seu prato da mesa sem comentários, pois se você insistir para que coma poderá fazer com que a criança não saiba distinguir e diferenciar a sensação de “estar cheio” com a de “ter fome”.

O ambiente de refeição deve ser agradável e sempre que possível em família. A criança não deve ser distraída por brinquedos, televisão ou outras brincadeiras e evite comentários negativos acerca dos alimentos, pois a criança aprende pelos exemplos.

Leia Mais

Você sabe quanto de açúcar o seu filho pode consumir por dia?

gummibar-1089980

A Associação Americana do Coração recomenda que crianças a partir de dois anos e adolescentes de até 18 devem consumir, no máximo, 25 gramas de açúcar por dia. Quantidade que corresponde a seis colheres de chá.

Além disso, segundo a Associação, crianças com menos de dois anos NÃO DEVEM consumir açúcar!

É importante entender que a orientação diz respeito ao açúcar que está adicionado artificialmente em alimentos como achocolatados, bolos, balas, sucos industrializados e afins. Os açucares de frutas, leite e verduras são liberados.

A  professora da Escola de Medicina da Universidade Emory, em Atlanta, Miriam Vos, destaca que as crianças habituadas a consumir alimentos com alto índice de açúcar tendem a se alimentar de forma errada no futuro e consumir menos alimentos saudáveis, como frutas, vegetais e grãos integrais.

O consumo exagerado de açúcar na infância e adolescência aumenta os riscos de desenvolvimento de doenças como a obesidade a hipertensão e diabetes na fase adulta.

Leia Mais

5 alimentos que toda criança até 2 anos deve evitar

blog-agestante

Um estudo recente da Sociedade Brasileira de Pediatria mostrou uma “elevada frequência de práticas e consumo alimentares inadequados em lactentes muito jovens”. E sem distinção de classes sociais.

Segundo a pesquisa “Alimentação complementar: práticas inadequadas em lactentes” é possível que “essas práticas levem ao aumento do risco de desenvolvimento futuro de doenças crônicas”, como alergias alimentares, obesidade, e anemia.

Bebês que têm uma alimentação familiar baseada apenas nesse tipo de alimentação correm o risco maior de terem deficiências de vitaminas e minerais essenciais para o seu desenvolvimento.

Saiba quais são os principais vilões e evite-os:

1: Refrigerante

O consumo de refrigerante está associado à obesidade infantil, à diminuição no consumo de leite e aumento no risco de osteoporose e ao aumento da incidência de cáries. Não trazem nutrientes, apenas conservantes, acidulantes, aromatizantes. Uma série de aditivos químicos que podem sobrecarregar o organismo do bebê de toxinas prejudicando o bom funcionamento. Além disso os refrigerantes do tipo “cola” têm alto teor de ácido fosfórico, que reduz a absorção do cálcio.

2: Leite de vaca

Um dos alimentos com maior risco para provocar o desenvolvimento de alergia alimentar em bebês é o leite de vaca, pois organismo infantil está adequado e preparado para receber o leite materno e não o de vaca. Se houver impossibilidade de alimentar o bebê com leite materno, utilize fórmulas infantis. O leite de vaca só pode ser oferecido depois dos 2 anos.

Isso vale também para os alimentos derivados do leite de vaca. Se possível, evite!

3: Achocolatados

Aqui o estrago é bem grande, pois contém leite de vaca, açúcar, chocolate, sódio, além vários outros conservantes. Nenhum desses ingredientes são indicados para uma criança menor de 2 anos.

4: Salgadinhos

Cheios de sódio, gordura saturada e conservantes, os salgadinhos são um perigo para o organismo do seu bebê, passe longe.

5: Sucos de caixinha

Apesar de parecerem uma opção saudável, eles não são. Contém conservantes, açúcar em demasia, e sódio em excesso. Um teste do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) mostrou que das 31 amostras de néctar de fruta, 10 foram reprovadas por terem menos quantidade de fruta que o exigido por lei e terem muito açúcar.

 

Leia Mais