Como lidar com a recusa alimentar de seu filho

crianca-blog-agestante

Para que a criança habitue-se a aceitar o alimento, é necessário que ofereça o alimento à criança e avalie a sua reação, de forma a saber se a criança gosta ou não do alimento, devendo os pais insistir com a ingestão de alimentos mesmo que não sejam da sua preferência, o gosto do pai e da mãe não devem influenciar a criança.

Após a recusa da criança pelo alimento, não insista de imediato, para não criar um ambiente negativo que vai tornar a aceitação do alimento mais difícil. Contudo, a criança não deverá ter outra alternativa de consumo para não se habituar a ter sempre opção quando a comida não lhe agradar e assim não terá outra alternativa de consumo.
Em outra ocasião e de forma diferente, prepare o mesmo alimento, associado a sabores que a criança goste, para aumentar a aceitação.

Para tornar o alimento mais atrativo, procure sempre novas formas de preparação e apresentação do alimento.

Faça sempre novas tentativas espaçadas no decorrer do tempo, mesmo que a criança não aceite o alimento, pois serão necessárias cerca de 10 a 15 tentativas para que ela se adapte ao novo sabor.

Com a exposição continuada ao alimento, as crianças neofóbicas(medo do novo), irá aumentar a preferência por alimentos novos, esta fobia ocorre principalmente em crianças dos 3 aos 5 anos.

É importante ter em conta que o seu filho pode não gostar mesmo do alimento, e nesse caso é necessário substituí-lo por algum do mesmo grupo.

Não use alimentos como recompensa, porque a criança irá começar a gostar mais do alimento recompensa do que aquele que estaria a tentar estimular o consumo. Por exemplo: Se não gosta do alimento oferecido, passe para outro alimento e se assim mesmo a criança recusar, e você oferecer uma fruta, e a criança não gostar da fruta, não deverá comer nada até à refeição seguinte!

Não estimule o consumo de alimentos ofertando brinquedos ou atividades que a criança goste, nem bata no seu filho ou zangue-se com ele, pois o gosto da criança por um alimento pode variar de um dia para outro conforme o apetite.

Sendo a criança saudável e estiver dentro do padrão de crescimento e peso normal, não deve valorizar demasiado as recusas alimentares.

Se você quer que seu filho consuma alimentos variados, comece por você, as crianças começam a gostar de novos alimentos por verem outras pessoas comê-los e apreciá-los.

Preste atenção a quantidade de alimento que esta oferecendo aos seus filhos. Eles não comem tanto como um adulto. Por exemplo: “Servir à criança com menos quantidade do que é esperado ou desejado pelos pais ajuda a criança a comer a ter sucesso e sentirem-se alegres por terem comido todo o alimento”.
Se o seu filho disser que está cheio e não quiser comer, você deve tirar o seu prato da mesa sem comentários, pois se você insistir para que coma poderá fazer com que a criança não saiba distinguir e diferenciar a sensação de “estar cheio” com a de “ter fome”.

O ambiente de refeição deve ser agradável e sempre que possível em família. A criança não deve ser distraída por brinquedos, televisão ou outras brincadeiras e evite comentários negativos acerca dos alimentos, pois a criança aprende pelos exemplos.

Leia Mais

Você sabe quanto de açúcar o seu filho pode consumir por dia?

gummibar-1089980

A Associação Americana do Coração recomenda que crianças a partir de dois anos e adolescentes de até 18 devem consumir, no máximo, 25 gramas de açúcar por dia. Quantidade que corresponde a seis colheres de chá.

Além disso, segundo a Associação, crianças com menos de dois anos NÃO DEVEM consumir açúcar!

É importante entender que a orientação diz respeito ao açúcar que está adicionado artificialmente em alimentos como achocolatados, bolos, balas, sucos industrializados e afins. Os açucares de frutas, leite e verduras são liberados.

A  professora da Escola de Medicina da Universidade Emory, em Atlanta, Miriam Vos, destaca que as crianças habituadas a consumir alimentos com alto índice de açúcar tendem a se alimentar de forma errada no futuro e consumir menos alimentos saudáveis, como frutas, vegetais e grãos integrais.

O consumo exagerado de açúcar na infância e adolescência aumenta os riscos de desenvolvimento de doenças como a obesidade a hipertensão e diabetes na fase adulta.

Leia Mais

Até quando a gestante pode dirigir?

gravida-direcao-a-gestante-blog

No Código Brasileiro de Trânsito não há uma determinação e nem uma recomendação sobre o assunto, mas é notório que o bom senso deve ser usado para embasar esta questão. Ouvir o seu corpo e respeitar os limites que ele impõe é essencial para garantir a sua segurança e a do bebê.

Em uma pesquisa realizada pelo Canadian Medical Association Journal, foi observado que grávidas têm 42% mais chance de envolvimento em acidentes graves de trânsito e o risco é maior após o quarto mês de gestação. A explicação é que as grávidas acabam ficando mais distraídas, tem náuseas e cansaço acentuado.

A realidade é que a gestante pode dirigir enquanto se sentir segura e confortável para desempenhar o papel de motorista.

Uma cartilha elaborada pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) orienta que o cinto de três pontos é o recomendado para as grávidas. É necessário deixar uma distância mínima de 15 centímetros entre o volante e a barriga. Jejum, calor ou frio excessivos devem ser evitados. É importante também cuidar das medicações ingeridas.

O cinto deve passar sobre o ombro, cruzar o peito e se posicionar entre os seios. A parte de baixo do cinto nunca deve ficar sobre a barriga, mas abaixo.

Leia Mais

Promotor alerta para questionário que virou sensação no Facebook

face

Nas últimas semanas um questionário sobre preferências e gostos das crianças começou a circular no Facebook. Porém, a brincadeira que parece inocente e até bonita, pois revela como as crianças enxergam certas características do cotidiano, pode ser uma porta de entrada para atos mal intencionados.

Todo esse sucesso fez com que o Promotor da Infância de Criciúma, Mauro Canto da Silva, fizesse uma postagem em sua conta pessoal do Facebook, falando dos perigos de publicar tantos detalhes pessoais e da personalidade da criança, em uma rede social.

publicacao-promotor-a-gestante-blog

 

O promotor explicou em uma entrevista concedida a um blog sobre maternidade e filhos que observou o crescimento e popularização do questionário e ficou extremamente preocupado e disse “Num ambiente vulnerável de rede social, mesmo que a maioria a utilize para interação e distração, não podemos ignorar as que utilizam para cometer crimes, especialmente aproveitando-se de crianças e adolescentes”.

E acrescenta ainda, “Crianças, em especial, acabam confiando em adultos que demonstram afinidade. As respostas ao questionário são muito pessoais e uma pessoa querendo fazer o mal saberá utiliza-las para ganhar empatia com a criança. Depois de acontecer ficaríamos nos perguntando: “como ele sabia do nome do melhor amigo ou a cor preferida do seu pai”?”.

Confira o questionário completo:

Qual é o teu nome?
Quantos anos você tem?
Quando é seu aniversário?
Quantos anos tem o papai?
Quantos anos tem a mamãe?
Qual é a tua cor favorita?
Qual é a tua comida preferida?
Quem é o teu melhor amigo?
Qual é o teu programa preferido?
Qual é a tua música preferida?
Qual é o teu animal preferido?
O que você tem medo?
Qual o seu lugar favorito para ir?
O que quer ser quando crescer?
O que a mamãe mais gosta de fazer?
O que você mais gosta de brincar?
O que o papai mais gosta de fazer?

Leia Mais

A famosa “técnica do casulo” é um risco para o seu bebê

a-gestante-blog

A super popular técnica de enrolar o bebê (casulo) para acalmá-lo se tornou uma super vilã.

Segundo um estudo da Universidade de Bristol, no Reino Unido, publicado no Pediatrics, um famoso periódico médico, a técnica pode aumentar o risco da temida Síndrome da Morte Súbita Infantil. Ainda de acordo com o estudo a técnica é ainda mais prejudicial se utilizada após os 6 meses de vida do bebê.

A análise dos pesquisadores teve como base cerca de 283 artigos e chegou a conclusão de que o hábito de enrolar os bebês em uma manta com o objetivo de imitar o útero e acalmá-los, aumenta em duas vezes o risco de morte súbita, principalmente quando as crianças são colocadas para dormir de bruços ou de lado, práticas que são rigorosamente desaconselhadas pelos médicos.

O perigo é maior para crianças com mais de 6 meses pois nessa idade a probabilidade de que elas rolem é maior, levando as crianças a posições que não são seguras caso elas estejam enroladas.

Segundo os pesquisadores a técnica aumenta os riscos de hipermetria e infecções respiratórias.

A recomendação é de que até os 2 anos de idade as crianças devem ser agasalhadas apenas com roupas, sem mantas, nem cobertores. Além disso, o berço deve ficar livre de protetores e bichos de pelúcia e os recém-nascidos devem ser colocados sempre de barriga para cima.

 

Leia Mais

Como combater a gripe na gestação

gripe-resfriado

 

O inverno é lindo, mas trás com ele o funga funga da gripe e é comum ver pessoas com nariz vermelho, febre leve e desconforto.

Para combater a gripe as pessoas “comuns” costumam fazer uso de antitérmicos, antigripais, analgésicos e mais uma infinidade de medicamentos. Porém, as grávidas não tem essa opção, sendo muito restrito os componentes que elas podem usar para evitar ou tratar o desconforto causado pela gripe.

As gestantes não devem ingerir ou fazer uso de nenhum tipo de medicamento sem consultar o médico previamente, pois a gestação é delicada e até mesmo o aparentemente inofensivo remédio pode causar danos a gravidez e ao bebê.

O que vem ajudando muitas gestantes a combater a gripe é uma alimentação que ajuda a fortalecer o sistema imunológico.

As gestantes devem consumir frutas ricas em vitamina C como a bergamota ou mexerica, pois a vitamina C protege o organismo e tem alto poder antioxidante, auxiliando na eliminação dos radicais livres.

Os alimentos ricos em vitamina C são: acerola, brócolis, caju, goiaba, kiwi, laranja, limão, morango, mamão e pimentão amarelo.

O consumo de mel também ajuda o sistema imunológico, inclua o mel na sua dieta substituindo o uso do açucar, mas não exagere.

Outro ponto importante é o consumo de água, pois um corpo hidratado é essencial.

Leia Mais

Grávidas precisam tomar a vacina contra a gripe H1N1!

gripe-agestante-blog-h1n1

A gripe causada pelo vírus Influenza A é uma preocupação que deve estar na cabeça das grávidas.
Por este motivos elas fazem parte do grupo de risco e estão incluídas nas campanhas de vacinação. Além das gestantes, mulheres que deram a luz a menos de 45 dias, crianças de 6 meses até 5 anos também devem tomar a vacina gratuitamente nos postos de saúde da rede pública.

A saúde da mãe é o principal foco da vacina, pois a doença pode avançar rapidamente causando pneumonia e outras complicações que podem se estender até o bebê.

Como vou saber se estou com a gripe H1N1?

Os sintomas da gripe H1N1 são bem parecidos com os da gripe comum:

  • febre
  • dor de garganta
  • tosse
  • cansaço
  • dor de cabeça
  • dor no corpo

Mesmo se você não tiver todos os sintomas descritos procure atendimento médico, pois gestantes são parte do grupo de risco para complicações mais sérias.

Leia Mais

Governo proíbe propaganda de alimentos infantis, para incentivar a amamentação!

blog-gestante-aleitamento

A partir de novembro de 2016, uma no após a publicação do decreto, não será mais permitida publicidade de produtos como papinhas, leites artificiais e até mesmo de mamadeiras. O decreto visa incentivar a amamentação eliminando propagandas de alimentos que sejam prejudiciais a este fim.

O decreto restringe ainda descontos e promoções deste tipo de alimento em supermercados. Não serão permitidas embalagens com fotos, desenhos e outros que induzam a utilização.
As embalagens terão que ser ainda mais específicas sobre idade correta para consumo, destaque sobre risco da má utilização e instruções para uso correto.

A legislação também determina que no caso de chupetas, mamadeiras e bicos, sejam informados os prejuízos ao aleitamento materno. “Também é proibida a atuação de representantes comerciais nas unidades de saúde, salvo para a comunicação de aspectos técnico-científicos dos produtos aos pediatras e nutricionistas”.

O Decreto 8.552/2015, que regulamenta a Lei 11.265/2006, foi assinado no dia 3 pela presidente Dilma Rousseff na 5ª edição da Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional.

Leia Mais

Zika Vírus é encontrado em bebês com microcefalia

microcefalia1-blog-gestante

O Ministério da Saúde confirmou nesta semana que foram encontrados no líquido amniótico de duas gestantes da Paraíba, o Zika vírus. Os bebês dessas duas gestantes apresentam microcefalia e essa é a principal hipótese para o grande aumento de casos da doença na Região Nordeste do país.

Até o momento, foram registrados cerca 399 casos nos estados de Sergipe, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí, Paraíba, Bahia e Ceará.

Só em Pernambuco já são 268 casos registrados, quando a média era de dez casos por ano.

A relação entre o Zika vírus (transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, mesmo transmissor da dengue) e a microcefalia é inédita no mundo e até o momento não consta na literatura científica mundial.

O ministério da saúde já enviou orientações para as secretarias estaduais de saúde de todo o país sobre notificação, vigilância e assistência às gestantes.

Mas o que é microcefalia?

Caracterizada por uma malformação cerebral, que faz com que o crânio não se desenvolva de forma normal e não tem cura​. As causas tem diversas origens, como drogas consumidas pelas gestantes e agentes biológicos (bactérias, vírus e radiação)

Leia Mais

5 alimentos que toda criança até 2 anos deve evitar

blog-agestante

Um estudo recente da Sociedade Brasileira de Pediatria mostrou uma “elevada frequência de práticas e consumo alimentares inadequados em lactentes muito jovens”. E sem distinção de classes sociais.

Segundo a pesquisa “Alimentação complementar: práticas inadequadas em lactentes” é possível que “essas práticas levem ao aumento do risco de desenvolvimento futuro de doenças crônicas”, como alergias alimentares, obesidade, e anemia.

Bebês que têm uma alimentação familiar baseada apenas nesse tipo de alimentação correm o risco maior de terem deficiências de vitaminas e minerais essenciais para o seu desenvolvimento.

Saiba quais são os principais vilões e evite-os:

1: Refrigerante

O consumo de refrigerante está associado à obesidade infantil, à diminuição no consumo de leite e aumento no risco de osteoporose e ao aumento da incidência de cáries. Não trazem nutrientes, apenas conservantes, acidulantes, aromatizantes. Uma série de aditivos químicos que podem sobrecarregar o organismo do bebê de toxinas prejudicando o bom funcionamento. Além disso os refrigerantes do tipo “cola” têm alto teor de ácido fosfórico, que reduz a absorção do cálcio.

2: Leite de vaca

Um dos alimentos com maior risco para provocar o desenvolvimento de alergia alimentar em bebês é o leite de vaca, pois organismo infantil está adequado e preparado para receber o leite materno e não o de vaca. Se houver impossibilidade de alimentar o bebê com leite materno, utilize fórmulas infantis. O leite de vaca só pode ser oferecido depois dos 2 anos.

Isso vale também para os alimentos derivados do leite de vaca. Se possível, evite!

3: Achocolatados

Aqui o estrago é bem grande, pois contém leite de vaca, açúcar, chocolate, sódio, além vários outros conservantes. Nenhum desses ingredientes são indicados para uma criança menor de 2 anos.

4: Salgadinhos

Cheios de sódio, gordura saturada e conservantes, os salgadinhos são um perigo para o organismo do seu bebê, passe longe.

5: Sucos de caixinha

Apesar de parecerem uma opção saudável, eles não são. Contém conservantes, açúcar em demasia, e sódio em excesso. Um teste do Idec (Instituto de Defesa do Consumidor) mostrou que das 31 amostras de néctar de fruta, 10 foram reprovadas por terem menos quantidade de fruta que o exigido por lei e terem muito açúcar.

 

Leia Mais